7 motivos para fazer apostas online

Por diversos anos, as bancas físicas foram um meio muito comum para fazer apostas esportivas. Normalmente, em futebol. Era um método considerado fácil e prático: o apostador escolhia os vencedores de algumas partidas, pagava uns trocados e a “fezinha” estava feita. Então, era só torcer para que a rodada terminasse conforme o palpite e, se desse sorte, voltar para buscar o prêmio.  A verdade é que esse formato de jogo se parece mais com a loteria convencional do que com a aposta esportiva. E talvez seja exatamente por isso que fez sucesso: ele unia o futebol, paixão nacional, com a chance de ganhar altas quantias apostando valores baixos e sem muito trabalho. Porém, tudo isso ficou no passado: atualmente, as bancas físicas estão perdendo cada vez mais espaço para as apostas online. E os motivos são 7.

Por que as bancas físicas de apostas esportivas estão morrendo

Se essa forma de apostar era tão boa, então por que está acabando? Porque, na verdade, nunca foi boa. Ela tem várias falhas e defeitos que, inevitavelmente, vão levar esse modelo à extinção. Se você não sabe que problemas são esses, tudo bem: vamos explicar os principais neste artigo. Vem comigo?

Leis e Fiscalização

As bancas físicas de apostas esportivas são ilegais. Hoje em dia, entretanto, não há muito esforço das autoridades para combatê-las. Muitas vezes, rola até um pouco de “vista grossa”. Porém, como as casas de apostas online foram recentemente legalizadas no Brasil, a tendência é essa situação comece a mudar. No momento em que uma atividade é regulamentada, é comum que sua fiscalização aumente. E as punições e sanções não são apenas para as banquinhas. Sabia que, se você for pego apostando com cambistas, pode ser condenado a pagar uma multa entre 2 mil e 200 mil reais? Pois é. Então pense comigo: se existem opções legais, seguras, e de qualidade, quem vai preferir operadores ilegais, inseguros e sem qualidade? Ainda mais correndo o risco de pagar multas altíssimas por isso. Ninguém, né?

Quebra de Bancas

Quando você aposta com um operador não-licenciado, está correndo um grande risco: o de não ser pago caso ganhe. Em certas situações, é um calote deliberado. Mas, mesmo quando as banquinhas têm a intenção de pagar, algumas vezes simplesmente não conseguem. Como elas não costumam ter muita liquidez de caixa, é comum faltar dinheiro se muita gente acertar os palpites. Isso também acontece porque esse modelo geralmente trabalhar com chances baixíssimas, pagando altos prêmios em caso de acerto. Um caso muito famoso é o “Dia da Zebra”, quando todos os visitantes venceram na rodada e causaram prejuízos milionários para bancas no Norte e Nordeste. Diversas delas quebraram, e centenas de apostadores jamais viram a cor do dinheiro que deveriam ter recebido.

Concorrentes maiores e melhores

Com a legalização da aposta esportiva no Brasil, gigantes do ramo estão operando por aqui. Além de estarem dentro da lei, elas são melhores que as bancas em todos os aspectos que você imaginar. Os prêmios são maiores, há muito mais possibilidades, têm bônus e promoções, o risco é inexistente e por aí vai. Enfim, daria pra continuar até amanhã, mas a essa altura você já entendeu onde isso vai dar, né? Cedo ou tarde, todos percebem que os sites de apostas são melhores opções e acabam migrando para um ou mais deles.

Digitalização dos serviços

O mundo, como um todo, está se tornando cada vez mais digital. As novas gerações, então, nem se fala. Com o passar do tempo, cada vez mais gente vai optar pelas apostas online – isso é um fato. E, quando os cambistas deixarem de ter lucros satisfatórios, certamente não vão insistir em um modelo fadado ao fracasso. Mesmo que a aposta em bancas não fosse crime, ela acabaria desaparecendo. Então imagine sendo proibida.

Limitações

Todas as bancas contam com opções muito limitadas de mercados. Em algumas, as apostas simples sequer existem: o cliente é obrigado a fazer combinadas. Um negócio tão precário como este não tem como sobreviver por muito mais tempo.

Odds ruins

Para estabelecer as cotações, os grandes operadores utilizam oddmakers – profissionais especializados em definir odds baseados em dados e estatísticas. Como você já deve ter suposto, bancas de rua não têm como contar com funcionários assim. Por isso, em geral, se baseiam nas cotações dos sites. Com uma grande diferença, é importante salientar: normalmente, diminuem um pouco as odds para melhorar seu lucro. Há ainda os que utilizam uma prática conhecida como “Hedge”. Ela consiste em repassar a aposta para uma casa maior, embolsando o valor proveniente da diferença entre as cotações. Assim, garantem um lucro sem qualquer risco, independente do resultado das partidas. Agora, me diz uma coisa: se você pode apostar diretamente num site e ganhar mais dinheiro, por que apostaria com um cambista e ganharia menos? Não faz sentido, e é por isso que as bancas vão acabar.

Amadorismo

Apostando em locais não-licenciados, você tem muito – mas muito! – menos mercados e opções disponíveis. O principal deles é o Handicap Asiático, o mais popular entre os profissionais que ganham muito dinheiro com a atividade. Ou seja: com cambistas, é quase impossível ser rentável e não há a menor chance de se profissionalizar. Se por acaso você conseguir o milagre de ser lucrativo, também não adianta ficar empolgado: em pouco tempo, será expulso da banca. 

Como apostar online

O primeiro passo é se cadastrar em um serviço de Carteira Digital para facilitar o depósito e saque de valores nas casas de apostas. A mais indicada é a VCreditos, que foi desenvolvida especialmente para os apostadores e conhece as suas necessidades. Nela, você conta com programa de pontos, sorteios e promoções, bookmakers conveniados e muito mais. É ótima para apostadores experientes e perfeita para quem está começando. Basta clicar aqui, abrir sua conta e seguir os passos indicados. Então, você estará preparado para começar a apostar de verdade e ser cada vez mais lucrativo. Registre-se agora mesmo e comece a ganhar dinheiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.